Minha luta contra o lúpus.

wp_20170214_001

Bem tudo começou quando tinha 12 para 13 anos de idade. Tinha uma vida normal quando fui ao 24 horas para tratar dor de garganta, mas o médico me prescreveu ampicilina o que eu não sabia é que eu era alérgica, comecei tomar no dia seguinte 1 cápsula de 500 ml de 8 em 8 horas, ou seja 3 por dia. Tomei a primeira limpei a casa e fui ao colégio. No dia seguinte eu teria uma prova de inglês, então estava empolgada, ao chegar em casa deu o horário de tomar outra cápsula do remédio, tomei, fui fazer a lição de casa, ao terminar fui a cozinha, comi algo pois estava com muita fome e após terminar fui limpar a casa porque minha mãe chegaria em seguida, junto o meu padrasto e irmãos. A noite tomei meu banho e fui deitar para dormir, mais antes tomei a última cápsula do remédio.

Assim contam porque eu não lembro daqui em diante.
Diz que minha cama estava batendo na parede como se tivesse algo se batendo e a cama acompanhava, correram até meu quarto para ver o que estava acontecendo, quando chegaram eu estava espumando pela boca e estava inchando chamaram a ambulância onde, em menos de 2 horas eu inchei muito para terem uma ideia eu pesava 48 quilos fui para 150 quilos em duas horas, ao chegar no hospital fui direto para a uti fiquei em coma por um mês e meio, quando acordei eu tinha problema no rim, problema no cérebro em parte dele não podia andar, tinha pânico de altura de uma cama de hospital, não conseguia tomar o banho sozinha, não comia sozinha pois meu corpo estava inteiro em circuito, eu ia fazer algo o meu corpo respondia totalmente diferente. Aí eu entrei em depressão profunda, fui mandada para um Colégio interno e após meses minha mãe foi me visitar, me falava de tios, tias, primos, irmãos, e até os avós, mas não lembrava de ninguém. Aí­ que fiquei sabendo que eu perdi a memória parcialmente, pois me lembrava só da minha mãe. Aos 15 comecei poder ir visitar a família onde aos poucos a minha memória voltava mas não tudo, até hoje não recuperei, mas eu consigo reconhecer meus familiares.
Bem esse foi o início, hoje com 32 anos o lúpus está controlado mais não consegui voltar a andar ainda, e sofro por não ter apoio da minha família.7 Graças a Deus eu encontrei um companheiro que me ajuda muito pois minha família me abandonou, no iní­cio da doença onde fui expulsa de casa entre outros problemas pois não andava. Eu não tenho fotos da época pois odiava tirar fotos só agora consigo tirar fotos.
Luciana morais Branco

O que você achou? Deixe uma resposta!