Moça com lúpus, entra em depressão e tenta se matar junto com bebe.

Em carta escrita antes de se jogar em um poço com o seu filho, um bebê de três meses de idade, Elisete (20), explica o motivo do ocorrido e pede desculpas pela decisão. A causa seria uma doença cardíaca do filho. Diagnosticada com depressão, a mãe se culpava pela doença do bebê.

Elisete afirmou na carta que tinha passado por um tratamento contra o Lúpus, doença onde ocorre uma produção excessiva de anticorpos contra as próprias células do organismo. Por conta disto, não era recomendado engravidar. “Porque a doença piorava ou melhorava, no meu caso fiquei pior”, escreveu.

A mãe disse que o nascimento do bebê a deixou feliz, mas depois, a tristeza retornou. Elisete afirmou que estava sem forças para cuidar da criança. Eu tanto queria ter conseguido cuidar dele e ser feliz mais não deu… eu tive que levar ele comigo, pois imaginei que sem mim ia ser difícil pra ele, mas peço perdão por tudo isso. Perdão”. (sic)

A mulher foi resgatada do poço com vida, mas o bebê não resistiu e morreu. Elisete foi encaminhada à Delegacia Metropolitana de Eusébio no Ceará.

Em nota, a Polícia Civil falou sobre o caso. Leia: 

A Polícia Civil do Estado do Ceará informa que uma mulher, identificada como Elisete (20), foi autuada por homicídio após se jogar em um poço levando em seus braços seu filho, de dois meses de vida. O bebê, Vitor Gabriel, não resistiu e veio a óbito. O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará (CBMCE) foi acionado para atender a ocorrência, mas o menino já foi encontrado sem vida. O caso ocorreu por volta de 8 horas desse domingo (02), no distrito de Camará, em Aquiraz – Área Integrada de Segurança 9 (AIS 9). O poço fica no quintal da residência da mulher. Ela e o recém-nascido foram encontrados por familiares, que sentiram falta de ambos. A Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) também esteve no local do fato.

Elisete foi levada pela família à Delegacia Metropolitana do Eusébio, onde foi autuada em flagrante por homicídio. Em depoimento, ela disse que cometeu o delito depois de receber o resultado de um exame médico atestando que a criança tinha problema cardíaco. Além disso, exames médicos apontaram que a mulher adquiriu depressão pós-parto. Após a realização dos procedimentos policiais, ela, que agora responde pelo crime, foi encaminhada para um hospital mental, no bairro Messejana, em Fortaleza.

Leia a carta na íntegra: 

carta

A jovem encontra-se no Hospital de Saúde Mental. Fica o alerta para os familiares de pacientes de lúpus que tem depressão. Depressão também é doença e deve ser tratado como tal.

Fonte: R7

Entre na nossa Comunidade no Facebook

A Menina e o Lúpus

eucurto2

 

O que você achou? Deixe uma resposta!