Paciente com câncer terminal melhora após tomar cloroquina.

Depois que seu câncer no cérebro tornou-se resistente à quimioterapia e, em seguida, para tratamentos específicos, os médicos de Lisa Rosendahl, de 26 anos, a desenganaram e deram apenas mais alguns meses para viver. Mas agora, uma nova combinação de medicamentos estabilizou a doença da jovem e aumentou sua qualidade de vida.

O coquetel “milagroso” à base de cloroquina é parte de um conjunto de remédios usados no tratamento da malária. A mistura parou o processo que as células cancerígenas do corpo da jovem usavam para resistir à terapia, recondicionando o câncer para ser combatido com o que já havia sido prescrito antes.

Juntamente com Rosendahl, outros dois pacientes com câncer de cérebro foram tratados com a combinação e ambos mostraram melhora semelhante. “Lisa é uma jovem adulta com uma vontade muito forte de viver. Mas tinha um glioblastoma agressivo de alto risco e quando começamos esse trabalho, ela já havia tentado tudo. Para essa população, as taxas de sobrevivência são sombrias. Milagrosamente, ela teve uma resposta a essa combinação. Quatro semanas mais tarde, ela já conseguia ficar de pé e tinha melhorado o uso de seus braços, pernas e mãos”, afirma Jean Mulcahy-Levy, investigador da Universidade do Colorado Câncer Center.

A ciência por trás do uso inovador da droga, foi construída em grande parte no laboratório de Andrew Thorburn, vice-diretor do CU Câncer Center, onde Mulcahy-Levy trabalhou como um companheiro de pós-doutorado. O laboratório de Thorburn estuda um processo celular chamado autofagia. Do grego “comer a si mesmo”, a autofagia é um processo de reciclagem celular em que organelos celulares chamados autofagosomas encapsulam material extra ou perigoso e o transportam aos lisossomos da célula para eliminação. Em bom português, seria como se desmontássemos um conjunto de bloquinhos de Lego, separando-os em energia e proteína permanecendo assim livre de venenos (remédios). Sacou? E alguns cânceres, como o de Lisa, sobrevivem dessa forma.

Contudo após participar de um teste e tomar a cloroquina, a doença começou a regredir. “Meu câncer ficou menor, o que é incrível para mim”, diz Lisa. Tanto que recentemente a jovem decidiu comprar uma nova cadeira de rodas para que ela pudesse passear pelo shopping mais vezes. Isso a faz sentir saudável de novo, o que é ótimo.

Os estudiosos pretendem ampliar o uso da droga em doentes cujos cânceres sejam autofágicos para inibir essa reação e permitir que os tratamentos recomendados surtam o efeito desejo. “Eu realmente gosto de ser capaz de realmente adaptar a terapia para o paciente”, diz Mulcahy-Levy. Já para a jovem isso tudo tem outro significado. “Espero que (o experimento) ajude pessoas que sofrem com isso.” Vai ajudar, Lisa.

Com informações da Universidade do Colorado.

Fonte Yahoo

Entre na nossa Comunidade no Facebook

A Menina e o Lúpuseucurto2

O que você achou? Deixe uma resposta!